Clique sobre a revista para folhear
Receba nosso boletim
Busca
Enviar por E-mail
Comente
Imprimir
Imprimir
 
Compartilhe:
 
Intervenção: Fundações se apresentam como braço executor das políticas de Saúde

A decisão de contratar uma Fundação para fazer a gestão deve ser avaliada de acordo com a realidade de cada município. Esta é a ressalva feita pelo diretor da Fundação Hospital Getúlio Vargas, Juarez Verba. “Muitas vezes, os municípios que assumem a administração direta não possuem conhecimento de gestão hospitalar. Por isso, os gestores municipais precisam identificar se há estrutura para fazer esta gestão”, alerta Verba.

Ao comentar a situação de São José do Norte, ele afirma que a curto prazo a meta é promover a oferta de cirurgias de pequeno porte, as quais podem ser realizadas em uma estrutura mais simples, como otorrinolaringologia e cirurgia geral. “Também queremos recuperar imediatamente a capacidade de internação e investir na realização dos serviços de urgência e emergência, passando de 120 para 200 atendimentos por dia”, projeta. A conquista de cinco leitos para estabilização, com condições de suporte a pacientes que precisam ser transportados para um hospital com melhor estrutura, já é uma realidade no município.

Leia Mais:

Da ameaça de ver hospitais fecharem as portas à intervenção
Quaraí estava sem contrato com o SUS desde 2009
Em Candelária, hospital iria fechar
Palmeira das Missões voltou a contar com plantão médico 24 horas
São José do Norte contrata Fundação para fazer a gestão
Agudo seria descredenciado do SUS
Jaguarão confrontou com dívida de R$ 15 milhões

Verba também é presidente da Associação Gaúcha das Fundações Públicas e vice-presidente da Associação Nacional das Fundações Públicas. Com a experiência de fazer a gestão do Pronto Atendimento 24 horas de Viamão, da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Lajeado, e da cooperação técnica do Hospital São Camilo de Esteio, ele revela que a intenção das fundações é fazer a gestão de hospitais municipais por tempo indeterminado, na lógica de organização do Ministério da Saúde e regulada pelos gestores municipal e estadual. “É uma das alternativas que têm mostrado resultados adequados, que está oferecendo serviço público sem restrição de acesso. Esta assistência se torna um braço executor das políticas de Saúde do Estado, com gestão de hospitais públicos 100% SUS”, responde Juarez, ao ser questionado se o modelo de gestão das fundações é a melhor alternativa para os municípios.

20/01/2014
Fonte: Revista COSEMS/RS 6ª edição
Total de comentários: 0 0 comentário(s) - Clique aqui e seja o primeiro a comentar
 
Confira também:
-
Resolução nº 532/17 aprova o credenciamento do número de ACS, ESF, NASF e ESB apresentados pelos municípios de Itaara, Nova Hartz, Santa Bárbara do Sul e Vila Flores
-
Portaria nº 387 divulga a relação dos entes federados que celebraram Termo de Compromisso de Renovação de Adesão aos Programas de Provisão de Médicos do Ministério da Saúde e as vagas disponíveis
-
Resolução nº 526 altera o valor mensal do Incentivo Financeiro Estadual do Programa Primeira Infância Melhor do município de Júlio de Castilhos
-
Resolução nº 528/17 aprova o credenciamento do número de ACS, ESF, NASF e ESB apresentados pelos municípios de Erechim, Farroupilha, Sinimbu, Venâncio Aires e Vera Cruz
-
Resolução nº 529/17 aprova o credenciamento do número de ACS, ESF, NASF e ESB apresentados pelos municípios de Nova Hartz e Sertão Santana
 

   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
 
Galeria de fotos