Buscar

Ômicron - sintomas associados à nova variante do coronavírus

África do Sul foi o primeiros país a notificar a Ômicron (B.1.1.529) que emitiu um alerta à Organização Mundial da Saúde (OMS) no dia 24 de novembro. Segundo a OMS, as análises encontraram a variante pela primeira vez na amostra de um teste coletado em 9 de novembro. Com o anúncio da nova cepa, outros países passaram a sequenciar os genomas dos vírus encontrados em pessoas que testaram positivo para a Covid-19. No entanto, ainda falta consenso na comunidade científica.



Angelique Coetzee, a médica sul-africana que primeiro identificou a nova variante ômicron do coronavírus, diz que os pacientes infectados até o momento mostram "sintomas extremamente leves" — mas mais tempo ainda é necessário para avaliar o efeito em pessoas vulneráveis.


Médicos alertam sobre riscos da teoria de que a variante Ômicron seja "leve"!


Sintomas da variante Ômicron:

  • Tosse seca, dependendo do caso;

  • Febre;

  • Suores noturnos;

  • Dores musculares;

  • Cansaço;

  • Garganta "arranhando";

  • Pulsação alta, dependendo do caso.


Vale explicar que apresentar alguns destes sintomas não confirma um quadro de infecção pela nova variante. Isso só poderá ser comprovado por uma análise de sequenciamento genômico e esses sintomas podem ser, facilmente, confundidos com o de uma gripe.


É preciso considerar que a maioria dos novos casos da variante Ômicron na África do Sul foram relatados em pessoas na faixa dos 20 e 30 anos. Para esta faixa etária, a covid-19 tende a se manifestar em quadros mais leves, independente da variante.


As vacinas atuais permanecem efetivas na prevenção contra a Covid-19 e desfechos clínicos graves, incluindo hospitalização e morte. O momento é de cautela. A melhor coisa que a população pode fazer é ser vacinada ou receber o reforço do imunizante e manter as medidas de prevenção, como o uso de máscara, a higienização das mãos e o distanciamento social.


O Cosems/RS está trabalhando ativamente com o Governo do Estado para possibilitar uma atuação rápida diante de potenciais impactos da nova variante Ômicron no Rio Grande do Sul. É importante ressaltar que, até o momento, não se conhece esses impactos.

33 visualizações0 comentário