Buscar

Cosems busca melhorar os cuidados de saúde para população idosa

O presidente do Cosems/RS, Maicon Lemos, participou do lançamento da implementação da Política Estadual de Saúde da Pessoa Idosa (21)


A Política Estadual de Saúde da Pessoa Idosa (Portaria SES N° 444/2021) tem o objetivo de garantir a Atenção Integral à Saúde das pessoas com 60 anos ou mais, promovendo a manutenção da capacidade funcional, da autonomia e da independência, de forma a contribuir para o envelhecimento ativo e saudável.


Nesse sentido, foi lançada na terça-feira (21), a Política Estadual de Saúde da Pessoa Idosa - “Possibilidades e desafios para a implementação de cuidados de saúde integrados para a população idosa”, em que o presidente do Cosems/RS, Maicon Lemos esteve presente.


O lançamento teve uma palestra magna intitulada "Possibilidade e desafios para a implementação de cuidados de saúde integrados para a população idosa", realizada pelo Dr. Edgar Nunes Moraes; a apresentação da Política Estadual de Saúde Pessoa Idosa, com Joana Finkelstein Veras; e um espaço para debate, com mediação de Gisleine Lima da Silva.


Uma sociedade mais ativa e saudável


A construção de uma sociedade para todas as idades deve incluir a parcela dos idosos frágeis, que apresentam prejuízo funcional, seja por incapacidade ou perda de autonomia. Para isso, consideram-se os aspectos biopsicossociais, a diversidade socioeconômica e ambiental, cultural, étnico-racial, sexual, de gênero, territorial, entre outros marcadores sociais. É alvo desta política o cidadão e a cidadã com 60 anos ou mais, com prioridade especial de atendimento para a população maior de 80 anos, exceto em casos de emergência.


Com vistas a melhorar a atenção à saúde das pessoas idosas frágeis ou em risco de fragilização, o Conselho das Secretarias Municipais de Saúde do Rio Grande do Sul (Cosems/RS) e a Secretaria de Estado da Saúde do Rio Grande do Sul (SES-RS) recomendam a todas as Unidades Básicas de Saúde (UBSs) localizadas em território estadual, o rastreio permanente da pessoa idosa vulnerável por meio do instrumento VES-13.


Além do rastreio permanente da pessoa idosa vulnerável a ser realizado junto à Atenção Básica, é recomendado a todos os pontos de atenção à saúde que prestam atendimento para o SUS, a vigilância constante das seguintes condições de risco para a fragilização (BRASIL, 2017).


30 visualizações0 comentário